Arquivo da tag: Coreia do Norte

Leituras

1ª, 2ª e 3ª semana de Abril

[China]

O século do Pacífico – Folha de São Paulo

Petrobrás e outro empréstimo chinês – Geraldo Samor

Perfil de Xi Jinping por Evan Osnos – The New Yorker : Recomendo o também o livro “A era da ambição” do mesmo autor da reportagem

Kevin Rudd comenta as relações bilaterais entre EUA e China – Belfer Center

Projetos de dessalinização – Bloomberg

Influência de Lee Kuan Yew na política chinesa – Huffington post

Livro sobre o povo Uighur – New York Review of books

Como funciona o “Great Cannon” – New York Times

Mais um episódio sobre disputas territoriais no Mar da China Meridional – New York Times

Dificuldades de crescimento – Folha de São Paulo

Mas o país agora tem dificuldade em sustentar seu patamar de crescimento em função da grande concentração de poder no governo central e no Partido Comunista e da pouca transparência.

Essa concentração funcionou no início do processo de crescimento, mas, quanto mais desenvolvida uma economia, mais ineficiente é a intervenção do Estado. Na China, a economia se ressente de mecanismos de mercado que gerem eficiência e equilíbrio na alocação de recursos e preços

[Japão]

Republicação de Akira e a história do mangá no Brasil – Universo HQ

Celulares antigos – Mainichi Shinbun

Matcha no mercado norte-americano – The Japan times

Sobre o Estúdio Ghibli e outros cineastas da animação japonesa – Asahi Shinbun

Encouraçado Yamato e Hisashi Shinto – Ásia comentada

Audiências públicas no Japão – Blog dinheiro público

Cartas de Junichiro Tanizaki – The Japan news

Turismo e os quatro novos tesouros – The Economist

[Coreia]

Navio norte-coreano no México – NK News

Dificuldades da presidente Park Geun Hye – Bloomberg

Sul-coreanos na Indonésia – The Wall Street Journal

Anúncios

Leituras

4ª semana de Março

[China]

Brasil será membro fundador do banco de investimento (AIIB) – Nikkei Asian Review

Burocracia chinesa – Folha de São Paulo

Cidade fantasma – BBC

Segundo líder mais importante da China – The Economist

[Japão]

Conversas sobre segurança marítima com a Indonésia – The American Interest

Muralhas contra tsunamis – BBC

Observações sobre os filmes de Akira Kurosawa – Open Culture

Reflexões sobre a Miss Japão 2015 – Sushi Pop

Alguns pontos sobre a língua coreana por um repórter japonês – Rocket News 24

Redução de turistas japoneses na Coreia do Sul – The Japan News

Mangá sobre a usina nuclear de Fukushima – Mangaland

Tradução de entrevistas com Naoki Urasawa – Leitura Oriental

[Coreia]

Diferenças linguísticas entre Coreia do Sul e do Norte – NK News

[Cingapura]

Resumo da história de Lee Kuan Yew – New York Times para complementar tem esse outro texto da The Economist

Contraponto à política de Lee Kwan Yew – Chris Blattman

Lee Kuan Yew versus Kim Dae-jung – Ask the Korean

Legado de Lee Kuan Yew para a China – Washington Post

Mensagem de Mahathir Mohamed (ex-primeiro ministro da Malásia de 1981-2003) 

Encerro com uma citação curiosa do Lee Kuan Yew em uma entrevista

Gardels | Anything else besides multicultural tolerance that enabled Singapore’s success?

Lee | Air conditioning. Air conditioning was a most important invention for us, perhaps one of the signal inventions of history. It changed the nature of civilization by making development possible in the tropics.

Without air conditioning you can work only in the cool early morning hours or at dusk. The first thing I did upon becoming prime minister was to install air conditioners in buildings where the civil service worked. This was key to public efficiency.

Leituras

Desertores norte-coreanos

Os desertores só podem fugir para a China e confiar em não serem descobertos pelas autoridades. Se o destino final é a Coreia do Sul, é imprescindível dar uma volta enorme pela Tailândia ou Mongólia, países que facilitam a passagem. No aeroporto de Seul começa o segundo capítulo de uma odisseia que equivale a uma viagem no tempo: passar de um Estado totalitário ancorado nos anos 1950 com uma renda per capita de 800 dólares (R$ 1.966) a uma potência mundial da eletrônica e da inovação, onde a renda per capita supera os 26.000 dólares (R$ 63.000).

Curioso mangá sobre a imigração japonesa nos Estados Unidos

Tokiwa-sô e a história do mangá, curioso saber que o nome de Honey Honey em espanhol é “Las aventuras de Silvia”

A finales de los años cuarenta, Japón vivió una auténtica revolución del cómic. La publicación de La Nueva Isla del Tesoro de Osamu Tezuka en 1947 se considera el punto de inflexión más importante en la historia del manga moderno. Todo empezó a cambiar a partir de ese momento. Había nacido una nueva forma de hacer cómics, había nacido una nueva narrativa, una nueva estética, y se empezaron a construir los cimientos de una futura gigantesca industria del manga (y el anime de paso).

Procurando por livros sobre a China achei esta resenha sobre a vida de Zhou Enlai 

Hong Kong e China artigo do The Guardian

Cidade de Songdo na Coreia do Sul

Futuro político da Tailândia

Leituras

Cultura Norte-Coreana

Kim Il-sung called the cinema “in many respects… superior to other forms of literature and art.” Kim noted the site-based advantages of film: “Plays or a chorus of 3000 people, for instance can be performed only on theatre stages…. Films, however can be screened anywhere, both in towns and villages, and can be shown simultaneously throughout the country.”

This mobility and flexibility of form of course supports the co-option by Party and ideological interests of the more liminal and diffuse artistic or leisure forms of the cinematic. In part perhaps this explains Kim Jong-il’s later near obsession with film production and the occasional harnessing of wider national strategies towards the generation of greater, more artistic, more impactful, cinematic production.

Conflito entre China e Coreia do Norte no Mar amarelo

Papa Francisco e a China

Em sua residência de Santa Marta, diante de três leigos argentinos, confessou: “Se dependesse de mim, estaria na China amanhã mesmo”. O secretário de Estado do Vaticano, o cardeal Pietro Parolin, e o encarregado das Relações com os Estados, o bispo Dominique Mamberti, também estavam presentes. Nessa tarde, ficou decidido que o chefe da Igreja Católica convidaria Xi Jinping, o presidente da China, para ir a Roma. E que também comunicaria ao líder chinês sua vontade de viajar para este país.

Fraturamento hidráulico (Fracking) e o mercado de energia na China

But China’s push to wean itself from coal has also triggered a rush to develop alternative power sources. The natural gas that lies deep within its shale formations is now a top contender. By current estimates from the U.S. Energy Information Administration, China’s shale-gas resources are the largest in the world, 1.7 times those in the United States. So far, fewer than 200 wells have been drilled, but another 800 are expectedby next year. By then, China aims to pump 230 billion cubic feet of natural gas annually from underground shale—enough to power every home in Chicago for two years.

Curiosidades sobre o saquê

Artigo sobre Lafcadio Hearn no Japan Times

In the short period of 14 years that he had lived in Japan, he felt that he had become privy to the most deeply cherished secrets of the Japanese mindset. His obituary appeared in a host of American newspapers. On Nov. 26, 1904, two months to the day after his death, The Oregon Journal wrote of him as the “Poet of Japan — he had become Japanese Thru and Tru, tried to hide himself from foreigners and to bind himself closer and closer to his chosen country.”

Author and poet Yone Noguchi (father of sculptor Isamu Noguchi) called Hearn “a delicate, easily broken Japanese vase.”

Coluna Zaregoto sobre Samurai Champloo

Kurosawa revitalizou o chanbara e criou convenções que seriam copiadas à exaustão no futuro. E, apesar da dimensão de seu legado, ele é notadamente um dos realizadores que menos influenciaram Watanabe em sua incursão pelo mundo dos samurais. Isso porque Champloo é uma história trivial, que narra a jornada de um grupo de pessoas sem eira nem beira, que pouco poderia ter em comum com verdadeiros épicos como Kagemushae Ran ambos da última fase da carreira de Kurosawa, nos quais os protagonistas são diretamente responsáveis pelo destino da nação.

o criador comenta numa passagem da entrevista concedida para a realização do Roman Album: “O anime lida com samurais, então, no começo, me preocupava que ele fosse visto como um trabalho nacionalista. Foi por isso que fiz de um dos protagonistas alguém vindo das ilhas Ryukyu, coloquei coisas como personagens treinando na China e fiz com que estrangeiros aparecessem na história. Assim, se você assistir o anime, fica claro que não tem nada a ver com isso [nacionalismo]. Não é uma animação feita para ‘proteger as tradições e a cultura única do Japão’.”

Piratas do sudeste asiático

Southeast Asia was the location of 41% of the world’s pirate attacks between 1995 and 2013. The West Indian Ocean, which includes Somalia, accounted for just 28%, and the West African coast only 18%. During those years, 136 seafarers were killed in Southeast Asian waters as a result of piracy — that’s twice the number in the Horn of Africa, where Somalia lies, and more than those deaths and the fatalities suffered in West Africa combined.